• Comunicadores Associados

Um difícil mundo digital

Este último ano tem nos transportado, a muitos níveis para um mundo digital.

Tanto como utilizadores individuais, como em muitas empresas, particularmente as de mais pequena dimensão.


Portugal até à um ano, era o país das pequenas empresas onde mais de 60% não tinham uma presença digital, para um 2020 onde 60% têm presença digital.


Empresas, marcas e produtos passaram a ter essa presença à custa de uma pandemia e de uma forçada passagem para um mundo que muitas não dominam e mesmo não compreendem.


E que presença é que passaram a ter?

E de que forma criaram essa presença?


Muitos desenvolveram soluções de recurso ou com recorrendo a soluções "económicas" ou de baixo investimento (seja este de tempo ou financeiro).


Mas, e apesar de ser compreensível a "necessidade forçada" de passar para o digital, o desenvolvimento de uma presença digital não é algo que se possa criar sem investimento de tempo e recursos.

Pelo menos se for objectivo criar algo com futuro e com resultados.


Se tem interesse em desenvolver uma presença on-line, e tem uma pequena empresa ou start-up, ou é mesmo um trabalhador independente, eis algumas recomendações (se é que podemos dar conselhos).


  1. Criar um site para o seu negócio ou produto

Deve tomar alguns cuidados para que não perca a propriedade do seu site e, principalmente, do seu domínio. Assim como lhe permita ir gerindo esta sua plataforma e presença on-line

  • Registe-o directamente num provedor deste tipo de serviços ou em DNS.pt se desejar um que termine em [.pt]. Desta forma não ficará refém de alguém que o registe por si.

  • Escolha uma plataforma que seja suficiente para as suas necessidades e que, preferencialmente permita que faça a gestão dos conteúdos do seu site. Desta forma não irá depender de um "técnico" que programou o site, e de uma tecnologia que não domina.

  • Todas as actividades de desenvolvimento de uma presença on-line vão exigir investimento de tempo, e sim, de algum capital. Meça bem e planeie o que pretende e que realmente necessita. Não é altura de planos megalómanos e a maior parte das soluções permitem uma evolução posterior se necessitar.

  • Há vários passos que vai ter sempre de seguir de forma a que a sua presença on-line seja eectiva, nomeadamente nos motores de busca. O desenvolvimento do site não termina na adaptação de um design e no desenvolvimento de alguns conteúdos.

  • Tenha cuidado com as imagens e outros conteúdos. As imagens que encontra nos motores de busca são propriedade de alguém e sujeitas a direitos de autor. Não pode (de forma alguma) começar a utilizar as imagens que encontra. Procure locais que possuem imagens com autorização para utilização com fins comerciais ou utilize imagens que seja realmente suas.

  • Se chegar a um ponto que necessita de ajuda por haver passos ou tarefas que não consegue desenvolver, consulte um especialista. Mas acompanhe o que é desenvolvido.

  • Nunca parta do princípio que o que está on-line é gratuíto, ou que conseguirá realizar algo sem investimento. Este é um conceito errado de quem está habituado a uma utilização particular e que recorre a soluções de "piratagem". Isto é um negócio - se não quer que lhe aconteça o mesmo aos seus produtos e marcas não o faça a outros. Tudo tem de estar legal.

Criar uma presença on-line consome tempo e algum dinheiro (sempre!). Se considera que o trabalho de um técnico ou empresa competente é sempre "caro" é porque está a desvalorizar o seu próprio trabalho.

O desenvolvimento correcto e que possa produzir algum tipo de resultado resulta de muito trabalho de aprendizagem e desenvolvimento, assim como de muitas horas de trabalho. E hoje, com o desenvolvimento das soluções digitais e do aumento da sua complexidade, necessita de cada vez mais horas de trabalho e dedicação - se é "barato" não é de fiar.


2. Uma presença nas redes sociais


Parta do mesmo princípio do que foi referido para os sites.

Igualmente não confunda a sua utilização pessoal das redes sociais com o desenvolvimento de soluções profissionais para o seu negócio, produto ou marca.


  • Não tem de ter presença em todas as redes sociais. Tem de perceber onde estão os seus potenciais clientes e estar presente só nessa(s) rede(s). Quanto mais páginas nas redes sociais tiver, mais tempo terá de investir na sua curadoria e manutenção.

  • Crie sempre "páginas" e não "perfis" nas redes sociais. É a diferença entre uma presença profissional e a presença pessoal. Mesmo que se esteja a "vender" a si como especialista num qualquer tema, encare sempre a situação como um negócio.

  • Escolha sempre uma identidade e uma base para as suas soluções e mantenha-a. A coerência é muito importante na sua presença on-line (assim como em qualquer outro suporte) pois é a forma de os seus actuais e potenciais clientes identificarem sempre o seu produto/marca ou empresa (por alguma razão as marcas investem em logótipos e outras formas de identidade).

  • As regras da propriedade no que se refere a imagens, vídeos, músicas ou outros tipos de conteúdos também se aplicam aqui. Se quer utilizar alguma coisa compre ou obtenha autorização para o fazer.

  • Manter as redes sociais ainda exige um maior investimento de tempo que o desenvolvimento de um site, e é igualmente importante. Se não vai dedicar-lhe tempo e atenção, ou mesmo investir financeiramente neste espaço, não crie as páginas. Mais vale não ter, do que ter uma má imagem.

  • Tenha a predisposição para seguir e ler informação de especialistas nesta matéria on-line, ou adquirir informação para compreender o que deve fazer nas redes sociais. Elas são mais complexas do que podem parecer, e para ter algum tipo de sucesso vai ter de investir (tempo e algum dinheiro).

  • Não se deixe levar por soluções "fáceis" ou "baratas" que lhe apresentem. O que lhe interessa são resultados - e resultados não são "likes" ou situações semelhantes. Até porque para as redes isso nem é o mais importante. E muitas vezes eles vêem dos três F's (Friends, Fools and Family - Amigos, Tolos e Família) e eles não vão sustentar os seu negócio.

  • Não se iluda. Os "influencers" trabalham muitas horas para dar aquele "aspecto" de que é fácil e que tudo surge "naturalmente". Mesmo ter conteúdos para publicar pode exigir que se dedique a "criar" nos seus tempos livres para que depois tenha "ideias" para publicar.

Vamos repetir porque é algo que para quem começa um negócio, seja de que tipo for, por vezes custa a perceber devido aos comentários e histórias que vamos ouvindo.


A presença on-line requer trabalho, dedicação e investimento.


Por isso é que por vezes as pessoas que não equacionam estas questões nos seus planos de negócio, ou mesmo na sua agenda semanal, ficam surpreendidas que para ter resultados empresas que se comprometem e que se dedicam para que haja resultados, apresentem valores que parecem sempre "caros".


Se fosse fácil, ninguém precisava de ajuda e de especialistas.


Quando começar não se esqueça de nos contar quais foram as dificuldades e como correu a criação da sua presença on-line.

Ou de qualquer outra parte da sua comunicação. Afinal a Comunicadores & Associados presta um serviço completo nesta área.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey LinkedIn Icon
  • Grey YouTube Icon

2013-2021
Comunicadores & Associados

®

Com/Assoc

Comunicação Empresarial e Branding

Centro Empresarial Lionesa

geral@comunicadoreseassociados.pt

+ 351 929 075 128